Informações sobre hanseníase, causas, sintomas e tratamento da hanseníase, identificando práticas que possam contribuir para a sua cura.


sábado, 9 de janeiro de 2016

Patogênese da hanseníase

O início da hanseníase é insidioso. Ela afeta os nervos, a pele e os olhos. Também pode afectar o sistema da mucosa reticulo-endotelial (boca, nariz, faringe), testículos, rins, músculos e endotélio vascular.
Bacilos entram no corpo geralmente através de sistema respiratório. Apenas uma pequena proporção de pessoas infectadas desenvolvem sinais da doença. Embora infectadas, a maioria da população não desenvolve a doença. Após entrar no corpo, bacilos migram para o tecido neural e entram nas células de Schwann. As bactérias podem também ser encontradas em células musculares e células endoteliais de vasos sanguíneos.
Depois de entrar nas células de Schwann o destino da bactéria depende da resistência do organismo do indivíduo infectado. Os bacilos começam a multiplicar-se lentamente (uma bactéria leva cerca de 12 a 14 dias para se dividir em duas) no interior das células, libertando as células destruídas e introduzindo outras células não afectadas. Até esta fase uma pessoa permanece livre de sinais e sintomas da hanseníase.

Multiplicação de bacilos

Com a multiplicação de bacilos, aumenta a carga bacteriana no corpo e a infecção é reconhecida pelo sistema imunológico. Os linfócitos e histiócitos (macrófagos) invadem o tecido infectado. Nesta fase, as manifestações clínicas podem aparecer, como o envolvimento de nervos com alteração da sensação e/ou adesividade para a pele. Se não for diagnosticada e tratada nas fases iniciais, a progressão da doença é determinada pela força da resposta imunitária do paciente
Algumas vezes, a resposta imunitária é abruptamente alterada, seja devido ao tratamento ou devido a uma melhoria do estado imunológico, o que resulta na inflamação da pele e/ou nervos e mesmo outros tecidos.


ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL